Artigo

Do ethos hedonista como projeção de um ideal cultural

Rafael Lucas de Lima

Resumo: 

O hedonismo é uma das mais antigas perspectivas filosóficas acerca do agir moral, desenvolvendo-se, da Antiguidade Clássica grega aos nossos dias, em distintas teorias éticas e políticas. Seu cerne é o princípio de que não há, nem para o ser humano, nem para qualquer ser sensível, finalidade alguma a ser buscada que seja superior ao prazer. Na consideração do prazer, contudo, surgem algumas variações e discordâncias, que caracterizam teorias hedonistas distintas. Destarte, alguns assumem a existência de prazeres da alma, outros os descartam; uns afirmam que prazer e felicidade são a mesma coisa, enquanto outros negam isso. Em meio a essa diversidade, nosso propósito, neste artigo, é abordar aquelas que seriam, quiçá, as teorias éticas hedonistas mais relevantes no contexto histórico da Grécia Antiga – o hedonismo cirenaico e o epicurismo – e destacar seu papel como fundamento dos modos de vida daqueles que as sustentavam, nos quais se pode ver o engendramento de um autêntico ethos filosófico-hedonista, que manifesta um ideal cultural peculiar.

Edição:

v. 2, n. 1. 2018

Data de publicação:

22 de setembro de 2018.

Dossiê: Saúde, Ciência e Cultura e suas expressões na História  

Palavras-chave: 

Cultura, Filosofia, Hedonismo, Antiguidade.

licence.png

Esta revista está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 International.

  • Facebook

Indexadores, Diretórios e Portais

Latindex
Sumários
Google Academico1.png
diadorim1.png