Artigo

A violência como artifício de mitificação do cangaceiro e do silenciamento da esposa fatal em “Os desvalidos”: pobreza, banditismo e direitos humanos na ficção sobre o cangaço

Clarissa Loureiro Barbosa

Resumo: 

Este trabalho discute como, no romance “Os desvalidos” (2012) de João Carlos Francisco Dantas, a violência torna-se o artifício determinante da mitificação do cangaceiro e da estereotipização da esposa fatal. Analisa-se como as personagens Lampião e Maria Melona buscam no cangaço a dignidade humana, anulada pelas suas vivências num ambiente natural e social agressivo. Assim, observa-se como no Nordeste a violência gera desvalidos algozes e vítimas, identificados por sofrerem o exercício de outra violência imposta pelo Estado. Para tanto, esse artigo fundamenta-se nos conceitos de violência simbólica e do Estado apresentadas por Pierre Bourdieu (2009), nas interpretações históricas sobre o cangaço de Frederico de Mello (2013), na visão de mulher fatal de Mirelle Dottin-Orsine (1996) e na importância da cultura do falo no Nordeste segundo Durval Muniz Albuquerque Júnior (2003). Dessa forma, apresenta-se uma visão crítica sobre a violência e seus efeitos de transfiguração sobre os desvalidos.

Palavras-chave: 

violência, desvalidos, cangaço, mulher fatal.

licence.png

Esta revista está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 International.

  • Facebook

Indexadores, Diretórios e Portais

Latindex
Sumários
Google Academico1.png
diadorim1.png