pena.png

Artigo

“É muito mais difícil ser um soldado bom e obediente quando as coisas vão mal e os tempos são difíceis”: A Segunda Guerra Mundial aos olhos do conselheiro militar de Hitler

Maria Visconti Sales

orcid.png

Resumo: 

O objetivo deste artigo é analisar a narrativa sobre a Segunda Guerra Mundial nos testemunhos de Wilhelm Keitel durante o Julgamento de Nuremberg (1945-1946). O nazismo, por ser um regime embasado em uma ideologia que prevê a luta de raças e o imperativo da lei do mais forte, tem a guerra não como um desvio, e sim, como uma parte fundamental de seus princípios. Sendo assim, como Keitel, um general, marechal de campo, chefe de comando das Forças Armadas e conselheiro militar de Hitler, enxergava a guerra? O que significou, para esse homem, a obediência e a lealdade à nação e ao exército? Suas narrativas concedidas ao psiquiatra Leon Goldensohn na prisão de Nuremberg nos auxiliam a compreender a relação direta entre o mito da raça ariana corporificado no Führer e a necessidade da atuação expansionista dessa raça, que culminou em políticas desumanas de violência e de “limpeza” racial nos países ocupados.

Edição:

v. 4, n. 2. 2020

Data de publicação:

29 de janeiro de 2021

Dossiê: Memórias de sangue: recordar a violência, escrever a história

Palavras-chave: 

Nazismo, Segunda Guerra Mundial, Terceiro Reich, Ideologia, Julgamento de Nuremberg.